Não mais que ilusões

(Escrevi essas divagações quando tinha 17 anos. Não tem exatamente um planejamento de escrita, mas ainda vi sentido no desabafo e decidi compartilhar aqui, sem pretensões, já que era justamente dessa forma que escrevia)


 

light-coffee-pen-working-large

Gritos…imperceptíveis, contidos, deletérios, ensurdecedores, esmagadores, ineficientes, incompreensíveis, inconformados, inexistentes.

É ao redor de si mesmo que tudo parece mais tranquilo. As ruas são mais largas, os sentimentos são falsos. Tudo sempre se transforma. Aqui, não, tudo é constante.

Lá fora, o universo esvai-se em chamas; aqui em abstrações. Lá, o canto é monótono; aqui é ausente. Os olhos pedem passagem, os olhos pedem saída. Lá pode-se ir a qualquer lugar, e o resultado é sempre o mesmo. Aqui, não se pode andar.

O vôo é passivo, mas o toque é rude. Não há sutileza, não há profundidade. Há somente traços de guerra, impunidade e falta de crítica.

Conhecimento…um caminho inteiro a ser percorrido. Trégua…onde está o aroma saudoso de seu ideal? Onde foi a imagem do seu inconsciente, que viajou distâncias infinitas, que se solidarizou com o desprestígio? E tudo ficou parado.

Mas é do solo que se extrai o riso e nas estrelas que se busca a luz; em outros braços, a lágrima, mas muito se perde no borbulhar do precipício.

Chegada…a espera é contínua, os degraus são eternos e a lembrança apaga a saudade com seu sarcasmo inusitado. Mas são apenas memórias.

As folhas são viradas. Páginas e páginas de existência, talvez extinção. Não se sabe o que existe mais, talvez nada, talvez um pseudo-nada. Talvez uma parcela da culpa de que tudo poderia ser diferente e que  o homem é apenas um erro em si mesmo. Ou um acerto oculto.

Onde está o sentido? Só saberão aqueles que sucederem essa era. E quão justo seria se alguém, um só, chorasse, colhesse e sorrisse por todos. Não como quem faz tudo, mas como quem tudo conhece, e que de sua sublime inteligência, aprenda a moldar um cálice de méritos e humanidade, deixando esquecidos no passado apenas pequenos esboços de destruição;

E seria mais do que um sonho.

Um comentário sobre “Não mais que ilusões

Deixe uma resposta para Maria Camillo Martinez Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s