Imperativo

GentequeleePoesia

Chora,
e inunda metade de teus abismos.
Mente,
como se tudo fosse descrença.
Invade
cada fortaleza dessa existência.
Salta
por telhas de fascinação.
Nega
teus suspiros de prazer.
Sopra
cada frase de outrora
para longe.

Vibra,
e bebe o drinque da vitória.
Suaviza
meus sonhos com o toque dos teus desejos.
Apedreja
as sobras dos meus enganos.
Penetra
nos caminhos estrelados que construí para ti.
Finge
que teu rosto é somente sorriso.
Adormece
com os lamentos das preces
para jamais acordar.

As armas

download

“Há vitórias que exaltam, outras que corrompem; derrotas que matam, outras que despertam.” Antoine de Saint-Exupéry

Tínhamos um plano de nos virarmos pelo avesso
e a idéia de ser mais irradiava dentro de mim.
Mas você largou as armas e buscou sonhos confessos
e esqueceu que no combate não há tanto risco assim.

Sem armas, sem canções, encarou seus frágeis medos
e deixou-me atrás da porta a espreitar o seu delírio.
Seguiu desertos rumos e ignorou os meus apelos
na certeza de ser só com seu distante equilíbrio.

Preparou-se, então, para a luta contra seus vilões internos
e contemplou imagens vãs de um sucesso leviano.
Mas ao caçar os seus limites e encontrar os seus infernos,
perdeu-se nos seus sonhos, perdeu-se em reais enganos.

Agora resta a dúvida nas paixões que não preenchem
todo o triunfo garantido quando estava ao meu lado.
E o temor que alucina suas noites de suspiros
cala ainda o meu grito, evitando despertá-lo.

Acordar

"Porque, às vezes, acordar tem lá suas muitas desvantagens" Clarice Lispector

“Porque, às vezes, acordar tem lá suas muitas desvantagens”
Clarice Lispector

Há uma fresta na janela, mas não desejei que ela estivesse lá. Logo vai anoitecer e eu não me importo em não ver as estrelas. Há uma lua, mas ela já está completamente desmistificada.

É preciso levantar da cama e deixar antigos sonhos arderem.

Quero algo atual. Vi esse filme ontem e tudo perde o sentido rápido demais.

Mesmo para quem sonha. Principalmente para quem sonha.

Votos

aliancaEu te ofereço minha alma em pedaços, porque não sei ser inteira. E porque você torna plena cada parte de mim.

Eu te ofereço meu silêncio, que se tornou ensurdecedor após o encontro de nós dois.

Eu te ofereço meu segredo: esse estado agudo de felicidade que se projeta em mim sempre que te vejo, te ouço, te toco…

Eu me ofereço, enfim, com todos os meus sonhos e minha solidão, meus temores e meu amor, com o coração livre e diante da porta desse começo, eu me entrego: sou mulher sua.

Tag: Uma música que…

images (1)

Fui indicada por Eurico Gomes para essa tag sobre música, o que me foi algo muito interessante. A idéia era responder às seguintes perguntas:

  • Uma música que te faça ficar com vontade de dançar
  • Uma música que faça com que você se sinta apaixonada
  • Uma música que lhe proporcione determinação
  • Uma música que faça com que você se sinta em um clipe
  • Uma música que você escuta até enjoar e falha
    miseravelmente em enjoar

Estão todos esses elementos no texto, só que ao meu modo, identifiquem se puderem

Convido os leitores do blog a completar suas opções nos comentários!

Ela era assim: cantava até desfazer-se do ar presente em seus pulmões, alimentava-se de música, madrugada adentro, escrevia letras, enfrentando seus próprios segredos e dançava nua e incandescente, supondo desmanchar-se em faíscas. Continuar lendo

Se

“Se alguém por mim perguntar, diga que eu só vou voltar quando me encontrar…”
(Cartola)

Se eu pudesse escolher um momento, não tenho dúvidas de que escolheria o eterno.

Se me fosse concedido um dom, como eu queria poder voar! Contraditório, pois morro de medo de altura…

Se eu fosse uma voz, optaria pelo maior grito do universo.

Ao me eleger uma oposição, nada melhor do que o anjo que cai. Continuar lendo

Abismo

images

Gosto do todo, ao vê-lo por partes,
buscando um refúgio em palavras que voam
que gritam,
que me integram,
que se desintegram.

 Gosto dos passos, ao tê-lo quieto,
vestindo seus sonhos em intrigas que tocam.
Em nuances de ilusão,
de medo
e poesia.

Gosto do leve sorriso que se cala em lamento,
disputando a beleza de seus olhos de lua.
Despejado em mundos
onde habito,
sem você saber.

Viagem

despedidaUm sopro de verão traz de volta as curvas
de uma estrada que se parte
em atalhos cinzentos.
Labirinto…
em que os sons são palavra,
e as barreiras são dúbias;
onde o não é saudade,
e seu sorriso, poesia.
Mais do que a música no pause
mais do que uma paisagem despovoada.
E eu procurei seu retrato,
jogado na lembrança,
mas só havia seu nome,
sem autorização e sem drama.