Viagem

despedidaUm sopro de verão traz de volta as curvas
de uma estrada que se parte
em atalhos cinzentos.
Labirinto…
em que os sons são palavra,
e as barreiras são dúbias;
onde o não é saudade,
e seu sorriso, poesia.
Mais do que a música no pause
mais do que uma paisagem despovoada.
E eu procurei seu retrato,
jogado na lembrança,
mas só havia seu nome,
sem autorização e sem drama.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s