Submersa ou A pílula

submersa

Uma semana atravessada e não parecia haver linha de chegada a cruzar. Pílula após pílula ingerida e o pesadelo da noite facilmente se transpunha para o dia, num tormento instalado com maestria.

O jejum da manhã se estendia para as próximas horas do dia. Era impossível desperdiçar a pouca saliva que restava em sua boca com qualquer refeição indigerível. O corpo pedia, a mente bania.

Experimentava sensações singulares, como se algo dentro de si, que ela tanto procurava ocultar, estivesse gritando, chamando atenção, implorando para ser lido. Olhava a sua volta e se projetava partida, descoberta, do avesso.

O suor em excesso lhe cobria toda a pele; a vibração em suas mãos lhe tirava o controle que ela pensava possuir; insônia diária e quem precisa de repouso? Ela carecia de pousar, acalmar as palpitações, o ranger dos dentes, a agitação do olhar, o arquejo do peito.

Aguardaria mais uma semana. Um mês, se possível, até fazer efeito. Pois as impressões físicas estavam desviando o foco da sua inundação mental e, por aquela hora, ela ainda não queria se afogar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s