E quem vem lá

pintura-mulher-com-filhos

Quem vem depois dos outros teme não ser absolutamente amado, provado, afagado, descortinado como proprietário da casa, do peito e dos nossos pensamentos.

Quem vem detrás demanda que seus primeiros flagrantes de novas aptidões sejam extensivamente comemorados, tais como o foram antes.

Quem vem depois intenciona que tudo pareça a primeira cartada, a suma experiência. Deseja o melhor sorriso, o melhor afago e decide ser merecedor do maior desvelo e exclusivo olhar.

Quem chega na sequência quer gritar mais alto para se anunciar, para se fazer familiar aos nossos ouvidos, para nos oferecer o que pode, com seu choro perdido no meio da noite.

Quem vem ali, na retaguarda, não é mais nem menos, nem precisa mais ou menos, por ser único, sem categorização. E como ousar ser igual se o amor que traz consigo é desmedido e transcende as emoções?

Quem vem depois tem mais gente para amar, adorar, idolatrar, tem espelho, o que magicamente já o torna especial.

Quem vem ulteriormente cativa com o sorriso mais cristalino, naquela hora em que a gente achava que já houvesse dado todos os sorrisos do mundo antes; e nos fisga com palavras, quando se imaginava já ter ouvido tanto. E, de repente, dá aquele abraço imprescindível, o que torna quase inviável a vida sem ele antes.

Quem vem depois não faz idéia de que o amor explode, hora ou outra, que eclode uma nova mulher, mãe de novo, mãe do novo, rasgada ao meio, rompida em tantos pedaços quanto se fizerem necessários, mas toda ela coberta de abraços e desafios, com fuligem no rosto pelo incêndio da alma. Quem vem depois sabe pouco da fraqueza, do lamento, da culpa por deixá-lo sentir medo. E entenderá, certo que irá, que ele sempre esteve por aqui, era só uma questão de tempo, tempo para se aninhar no colo,  tempo para o amor se revelar…

6 comentários sobre “E quem vem lá

  1. Que texto maravilhoso, Fran!
    Adorei esse trecho em especial: “Quem vem depois não faz idéia de que o amor explode, hora ou outra, que eclode uma nova mulher, mãe de novo, mãe do novo, rasgada ao meio, rompida em tantos pedaços quanto se fizerem necessários, mas toda ela coberta de abraços e desafios, com fuligem no rosto pelo incêndio da alma.”
    Apenas quem tem 2 ou mais filhos para ter certeza de que é isso mesmo…
    O amor não tem limite… não é dividido… e sempre pode crescer e nos fazer crescer.
    Um beijo!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s