Corro perigo

“Mas sou minha, só minha e não de quem quiser”

(Legião Urbana)

Essa é mais uma da série “Eu sou mulher”. Sim, sou mulher, mas Shakespeare estava enganado, já que fragilidade não é o meu nome. Sim, sei o que quero. Sim, eu nasci mulher e me tornei mulher. Sim, muitos pensam que sabem como pisar no coração de uma mulher. Não, meu barro não pode ser decantado facilmente em uma canção. Sim, há sempre algo novo a aprender sobre mim.

Mas não sou um perigo para qualquer paraíso. E, no entanto, corro perigo.

Uma quase breve história:

Estudante de 18 anos sai de sua casa na periferia de São Paulo, em direção ao cursinho, e pega um daqueles ônibus bem conhecidos aos iniciados na arte do transporte público, atolado, cheio de vidas tentando atingir seus rumos. São 6h da manhã e o dia urge, e ela fantasia de todo o coração não perder os primeiros quinze minutos de aula como de costume. Em um dos braços, carrega uma apostila e alguns livros que usará nos intervalos das aulas; no outro, uma bolsa estilo mochilinha, colocada de lado a fim de sentir-se mais segura, afinal já eram tempos violentos, mesmo há 20 anos. Nada carregava de valor na bolsa que mal aprendera a reconhecer a utilidade. Viajava com as mãos ocupadas, mas a mente etérea argumentando com todas as suas faces sobre a possibilidade do futuro mais longínquo. Até que ela sente. Bem atrás dela. Mas acredita ser um engano e busca, então, novo posicionamento o que é utópico, pois não há mísero espaço sequer para piscar. Impõe a si mesma essa autoria de que o micrômetro que se mexeu teria sido suficiente para desvencilhar-se daquele volume que se encostava em seu quadril. Mas não foi. Olha para as pessoas sentadas diante dela, as mesmas em quem, a cada freada do ônibus, seus materiais são comprimidos. Ela as incomoda e a devolutiva de olhar quer dizer mais ou menos que “pouco me importa o que você sente, sou eu que estou desacomodada com esses livros a me bater”. O que querem é chegar, não importa onde ou às custas do quê. E ela, a estudante, é só mais uma…mulher.

Tão mulher que o tipo atrás só quer se escorar cada vez mais e se friccionar. Assim, ela grita intimamente, mas o som silencia. Pois lhe é permitido ficar calada. Quando percebe, seu ponto está chegando e é hora de procurar algum espaço para chegar à porta de saída, e agarra-se a essa oportunidade. Porém sente a presença dele atrás de si, feito sombra a seguir seus passos, embora não ouse estabelecer qualquer contato visual. Não deseja conhecer o rosto daquele que lhe roubou o equilíbrio e a inocência. Tampouco quer ser vista.

Ela desce no ponto seguinte e caminha na maior velocidade que os pés podem servi-la. E ele a rastreia:

  • Vai dizer que não foi gostoso?

Novamente ela grita e ali, na vida real, o som sai abafado:

  • Não. Me deixe em paz!

E já se vê à porta do cursinho, entra correndo com o rosto inflamado, o coração inteiro em chamas e, sobretudo, uma raiva inanimada de si mesma.

Sim, ela sofreu assédio sexual. Mas nunca se ouviu nada de seus lábios, pois a culpa a emudeceu.

Não, não quero só diversão. Não, não mereço um tijolo na testa. E não sou Maria Ninguém.

Sou mulher sim. Mas corro perigo.

Um comentário sobre “Corro perigo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s