O não sentir

Eu me depreciei e me iludi. Eu me apequenei e me feri. Eu me julguei e me escondi. Eu me senti incapaz e me puni. Eu me acovardei e fugi. Eu me despi e mesmo assim ardi de calor. E quando me vesti, morri de frio. Eu falei demais e não ouvi os gritos daqui de dentro. Eu abri bem os olhos, sem saber para onde mirar. Eu atirei com a certeza de que o crime compensaria. Eu me arremessei certa de que flutuaria. Eu quase sufoquei então corri a esmo. Eu escorreguei e no chão adormeci. Eu adiei e não vi as horas voarem. Eu me desmontei e perdi algumas peças. Após remontar-me, perdi o sentido e a função. Eu me boicotei em cada decisão e desapeguei. Eu arrumei meus planos, mas não fui a lugar algum. Eu me apavorei e diminuí o passo. Eu me entristeci e apartei os laços. Eu somente me suportei, com as pernas oscilantes. Eu parei de lamentar a dor e nada senti.

Nada mais senti.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s