A menina Paixão

Fica-se louco quando ela se abeira.

Essa menina Paixão é de uma insanidade! Má companhia, inconsequente, faz circunvoluções na rotina e não deixa ninguém dormir, produzir, comer, serenar. Companhia indesejável, vá para longe de mim!

Ela é amiga da dor, parente bem próxima da falta de sentido e só sabe agir em escala exponencial, tudo é superestimado quando a menina Paixão se aproxima, e ela não permite nem que a gente pertença a si mesmo.

Deixa em cacos, aos milhares deles.

Com um método de inserção moderno e altamente eficaz, eis que ela transforma o pensamento: deixa uma única imagem emoldurando todas as paredes da mente, imensamente, seja imenso o espaço que houver, sem hora para terminar, sem limites para demarcar, como uma decoração monotemática, monótona e insubstituível, e não há fuga de si que a desconecte.

Perde-se o domínio quando a menina chega.

Então você está comendo, dormindo, servindo, vivendo e de repente ela aparece e cria uma desordem de pensar, de cobiçar, de não saber silenciar. Faz arder quando há distância, queimar quando presença há.

Cria cegos, por fim.

E diante de tal cegueira, a menina Paixão te faz inteiro abandonar-se dentro de um par de olhos, como que mergulhado em duas esferas, em viagem interplanetária. Vai e volta de um orbe a outro, mas não escorrega, não se perde pela tangente, segue o plano, mas perde um pouco a linha, pois viagem assim termina mal, quando termina…

Porque a menina Paixão não vem em goles suaves, quietinha, sendo anunciada com discrição. Ela já aparece gritando do telhado, com velocidade de som, de passos, tirando qualquer um da sua ocupação, para que ela reine absoluta. E daí que há tanto o que fazer? Ela se espalha sem pressa de ir, mas com urgência de permanecer, de ocupar as superfícies, os poros; de amplificar os sons, de prensar todos os odores na ponta do nariz, para que fiquem eles aglutinados na memória e não possam ser expulsos nem sob medidas brutas.

Tenta-se ser esperto, burlar, mas a menina Paixão é sorrateira, sabe todos os seus planos e não se deixa enganar; de propósito, cria alguns embustes, e quando se vê, as mãos estão amarradas com corda e nó de marinheiro, os pés só andam no mesmo sentido e direção, e então, não é possível escapar, nada há para fazer.

A não ser se entregar a essa menina.

 

A boneca esquecida

(Parte 1)

“Foi ao canto
a boneca velha
que, de tão usada,
já não apresentava
a rosa vermelha
que antes enfeitava
o seu vestido branco.

Ela permaneceu quieta,
a mirar o distante,
ou a focar o nada?
Deixou romper uma lágrima,
um tanto hesitante
molhando a face calma
num rompante de tristeza secreta.

Tão solitária deve se sentir
uma pequena boneca
que, por tantos anos,
foi companheira de sonhos,
parceira de encrencas,
ser vítima de tamanho
abandono, sem ter para onde ir.

A porta se fecha numa batida
E a boneca procura para onde olhar,
pois não pode do canto se deslocar
nesse estado que a paralisa.
Tenta erguer-se, mas falta-lhe ar
Suas tentativas são tão imprecisas.
Fortemente, de angústia, ela é acometida…”

 (Parte 2)

Já são três horas e é quase tempo de ir. Dizem que é hora de revelar o adeus silente, a última lágrima, os abraços finais. Como se, de um instante para outro, ao jogar-se terra por sobre a caixa lacrada, não houvesse mais alguém de quem se despedir. Como se em algum momento alguém tivesse permitido que ela partisse.

Não houve autorização nenhuma. Mas também não roguei que ficasse. Fiquei ao seu lado, esperando algum clarão iluminar o quarto, algum tremor desequilibrar-me as pernas ou alguma voz polida reclamar por ela. Mas nada aconteceu e, distraída nesses rodeios, não a vi seguir. Divisei, de repente, seus olhos recolhidos e perdeu-se o porvir. E nada mais foi feito, a não ser a confirmação do horário, deixando-me em seguida com ela, sem conversa, sem presença.

Mas ainda não posso sair e deixar o armário abandonado, pois seus objetos não se discriminam sem proprietária, não podem simplesmente permanecer ali, no escuro, sem ao menos a lembrança do bom dia que ela sempre soube desejar.

Vou retirando cada item e somente guardo novamente em outro canto, pois não sei qual destino oferecer a uma caixa de música, um baú de cartas, um echarpe antiquado e inusitado…ou a velha boneca com seu pálido vestido.

Fora ela sua amiga de longa data. E quando contemplei, ainda menina, a sua clássica boneca de pano, eu a ambicionei com todo o esforço de meus dedos minúsculos, sacudindo-me em rancor quando ela, sem argumento, não aceitou que eu me apoderasse de seu bem mais estimado.

E agora, Maria, Joana, Laura, seja qual for o nome que um dia ela lhe batizou, não irá mais ouvir pronunciar. Você que não soube ser minha, fique aí, à beira dos dias, sem sua rosa vermelha.

Por que esse ar de angústia? Por ela não ter lhe arrastado nos braços, a fim de ver escoar junto a ela seus últimos dias? Por ela não ter lhe doado antes de deixá-la assim, sem motivo? Ora, guarde seus lamentos. Também eu não tive treino. Não fui instruída de como seria ontem ter minha mãe comigo e hoje não mais. Como é que se capacita alguém a não ter mais quem a gerou?

Pois continue aí, sem par, sem sonho, em abandono. Eu me retiro para o que é de praxe, nada mais tenho a fazer por aqui…

(Parte 3)

“Não mais de cantos me basto. Não sei viver guardada. Nunca soube dizer adeus. Portanto não o disse. E nem ouvi. E a porta se abriu novamente, tornando breve a tristeza. Esse novo lar me preenche, tal como a mãe, a filha me cerca. E eu me visto de rosas, porque não sou nem Maria, nem Joana, nem Laura. Mesmo usada, sou Rosa. Boneca de pano sem dono, senhora de mim”.

(Francine S. C. Camargo e Fernanda Camargo)