Altas geleiras

Bem lá em cima do desfiladeiro, fez-se eco de suas palavras, atingindo penosamente meu universo: vontade de me crispar o mais que puder até desvanecer na paisagem e nada sobrar de mim, nada de meus erros, mentiras e brumas.

Estava tão ocupada em decidir quais partes de mim me fariam tão mais eu que não vi quando passou, escancarando suas verdades. Mas senti quando hesitou seu coração diante de mim, parou por instantes até compassar-se ao meu. Bateram juntos em inextricável segredo e já não soube a quem pertenciam. O gigante mundo, porém, não despertou de sua inocência e continuou a nos sorrir, imprudentemente.

Tinha tanta sede, tanta força, tanta náusea. Mas não morreria dessa sede e me enovelaria nas entranhas de dentro de mim; força se extinguiria. De amor não se morre. Do amor se perde. De amor se mata. Escapa.

Não quero te doer.

Não quero te partir.

Não quero te cuspir as frases nunca ditas.

Mas fiquemos de mãos dadas só mais um pouco, pois o dia urge e eu não quero sair. Fiquemos parados nesses lenitivos instantes que nos restam.

Antes que os corações ofendidos se poluam de fraudes e não se perdoem mais.

Antes que os ventos me soprem de volta às minhas altas geleiras.

Estou sozinha na noite e o silêncio é demais para mim.

Lista de costumes a atrair para a vida

Ali estava a vida, invocando seu direito de ser extraordinariamente vivida, mesmo com contrariedades e desvios extrínsecos às vontades. Ela só queria totalidade, só queria muitas brechas e fissuras, só queria passe livre para o que faz bem, para o que deve se aproximar; queria espaço de sobra para o que precisa estacionar por aqui.

Então, por favor, vida, traga a presença de tudo que for fundamental, nada menos do que isso.

 

E são necessários sorrisos aos montes: cheios, claros, quase a contornar o rosto todo. São necessários sorrisos de bom dia, que desmontem as tristezas, que reestruturem a alma, que façam valer as horas, que motivem outros sorrisos em retribuição e para dar continuidade, sem muito esforço, sem forçar nada, mas com toda a força.

Cortesias nos mais variados graus são absolutamente bem recebidas. A preocupação com a humanidade pode até envolver frases e fotos de efeito, compartilhadas em redes sociais, mas não se pode esquecer que logo ali ao lado, há um ser humano que merece simpatias, respeito e todo o cuidado no trato.

Abraços são mais do que requisitados sempre. Abraços são disputadíssimos e esfuziam os dias, principalmente quando duram segundos intermináveis e podem ser repetidos, sem justificativa alguma.

 

Eliminar pendências, dar “conferes” em listas de tarefas, solucionar velhos conflitos e dissolver mal-entendidos, tudo isso é prioridade na melhoria dos dias e a vida pede urgência nesse item. Porque ela exige leveza e é mais feliz quando dorme as noites com suavidade.

Relaxar a mente é exercício diário, permitindo que a inspiração surpreenda seu momento, eternize-o, a ponto de despertar tesouros antigos e desconhecidos.

 

Também ela, a vida, impõe coragem e faz andar mesmo com medo, faz criar com despudor e traz liberdade para a imperfeição. Cabe tremer de medo, desde que não pare, cabe deixar a imaginação fluir, desde que com verdade, cabe errar desde que não se desista.

 

Verdade! A vida inspira verdade. É no olhar, em uma frase, em um passo a passo pareado, na certeza do acolhimento, na verdade de cada gesto desses que o consequente estremecimento traz a catarse dos dias.

 

Há, em grande escala, a cobiça pela música, pela literatura: o que se lê, o que se escreve, o que se escuta, o que se canta faz a mente alçar um mergulho bem próximo ao infinito e retornar é incumbência dolorida, porém renovadora, pois quem foi já é outro quando volta.

 

 

Outra companhia imprescindível é a paixão pelo real e pelo irreal, a paixão por tudo que mova, que impeça de ficar estagnado na mesma poltrona, com a cabeça virada sempre na mesma posição. Que a paixão faça moradia onde quer que se esgueirem os pés, que toque sem sutileza, pois também ardor é bem-vindo.

 

E, por fim, o que tornaria todas as demais unidades possíveis, é premente acreditar. Acreditar muito, acreditar um tantinho, desacreditar até por instantes para acreditar em seguida com mais amplitude…não importa o nível, não importa o direcionamento, não importa a esfera, mas que se acredite como base, como ponto de partida. Que se acredite com sede, com o corpo, com o espírito; que se acredite no que há fora, que a crença esteja somente lá dentro; quer seja chama tímida de vela, quer seja fé incendiável; que se creia no todo, que se confie nas partes. E ao acreditar, sem sofrimento, a vida se estabelece em direito e, a partir daí, será indubitavelmente vivida no hoje, sem promessas para o depois.

Verdades antigas que já não servem

“Para encontrar o que eu realmente podia esperar, primeiro teria que atravessar a minha verdade?”
(A paixão segundo G.H – Clarice Lispector)

Qual é o maior depósito de coisas inúteis?

Gavetas? Quartos de bagunça? Desktops? Velhos baús embaixo da cama?
À frente de tudo, o maior depósito de coisas inúteis é a mente.

Quanta energia parada e sem propósito fica ali, lamuriando em nossos pensamentos! Continuar lendo

Querida ontem

Não sei ainda se sentia a sua falta ou se não poderia seguir adiante enquanto seus passos acompanhassem os meus, e é certo que fui perseguida todo o tempo. Chamava a você de ontem, minha forma original, meu corpo em cicatrizes, mostrando-me ao hoje que fui mais real do que supunha.

E nessa hora, no silêncio intrigante em que me encontrava, a vida atual clamava por mim, mas a vida já vivida veio fremir a minha paz com os equívocos que adormeciam em algum quarto dentro de mim: os deslizes cometidos, as palavras não ditas, as ações tolhidas pelo zelo em excesso.

O passado me implorava por Continuar lendo

Subterrâneo

Quando o carro adentra o túnel, eu me sinto só.

A pouca luz que me afronta os olhos se torna uma sombra de incertezas e não há passageiro a me fazer companhia.

Não sei que medo será esse que eriça os pelos do braço e me faz ponderar sobre minha finitude.

O percurso é retilíneo, plano, mas estremece em meu corpo a ideia nauseante de que precipitei em queda livre. Fico ali aguardando o momento em que meu corpo irá se dilacerar ao contato com o chão.

Tudo é negro e os sons distantes não ajudam, pois não chegam até mim. Sigo inconquistável e sem controle.

E quando a mente esvazia, os segundos voam, eis que o Sol retorna aos olhos, trazendo de volta o ritual de existir.

Saio do anonimato do subterrâneo e a solidão,  apartada, acena para mim, como quem aguarda o próximo encontro.

Muito

Há casas que ainda não foram habitadas. Há gente que não fala a mesma língua e nem língua alguma. Há línguas que não se soltam do céu da boca, e ficam ali amorfas e taciturnas, escondendo o não-dito.

Há nuvens de chuva que se concentram acima da janela. Há roupas no varal que nunca mais querem secar. Há presentes esperando pelo seu dono e encontros que jamais acontecerão.

Há paredes descascando no quintal e o sol queima o chão, esperando para aquecer os pés, mal o dia começou. Há corpos consumidos pelo cansaço, que teimam em não trazer o olhar para a rua, em casa estão com os pés gelados.

Há uma sede indomável coçando a garganta e, por mais que os dias passem, não passará. Há alicerces desmoronando e a sabedoria pode ficar, mas as dores invadem e não se pode mais seguir em frente. Continuar lendo

Aprendi que nada me impede de fazer do meu jeito. Fui ensinada a ser uma garota padrão. Sei agradecer com os olhos, sei negar com o silêncio, sei pedir com as mãos e me aquietar com um suspiro, mas se eu não disser, ninguém saberá. Ninguém vai saber, por exemplo, que sou um ser de mim mesma. Por isso disfarço, finjo-me pequena, para não amedrontar. Finjo-me acuada, mas porque quero fazer tudo ao meu modo. Só para não parecer eu.

Deserto em mim

Eu queria saber quem foi que inventou que a minha rua é deserta durante a madrugada. Tenho certeza de que quem disse essa calúnia ainda não sabe sonhar. Porque a verdade é que nessa hora não há paz. E as calçadas se povoam de lutas e conquistas, muitas festas e gritos, alguns felizes, outros perdidos; muitos heróis se despem e saem vociferando seus próximos intentos; muitas donzelas festejam com seus mais belos vestidos, enquanto fogem de suas prisões.

E eu, Menina Desejo, não posso sair. Digo, não quero sair. Porque eu prefiro sonhar.