Verdades antigas que já não servem

“Para encontrar o que eu realmente podia esperar, primeiro teria que atravessar a minha verdade?”
(A paixão segundo G.H – Clarice Lispector)

Qual é o maior depósito de coisas inúteis?

Gavetas? Quartos de bagunça? Desktops? Velhos baús embaixo da cama?
À frente de tudo, o maior depósito de coisas inúteis é a mente.

Quanta energia parada e sem propósito fica ali, lamuriando em nossos pensamentos! Continuar lendo

O sorriso da lua

“Que haverá com a lua que sempre que a gente a olha é com o súbito espanto da primeira vez?”
(Mário Quintana, em O eterno espanto)

Diz a lenda que, numa época de noite escura, quando o medo dominava as casas e encolhia as pessoas, a lua surgiu, provinda de uma bela índia que despertou inveja por ter tido coragem de enfrentar o desconhecido das trevas. E tornou-se lua, depois de subir tão alto e dormir dentro de uma nuvem, ansiando fugir do meio onde a achavam diferente de todos.

Essa estória me trouxe um ciúme bem de leve, a ponto de querer, só de vez em quando, também ser lua alta lá no céu.

Mas não queria ser descaradamente visível, redonda e pálida a arrancar suspiros e esgotar-me de serenatas de amor. Não, tampouco desejo ser lua velha, emergindo da escuridão, renascida de mistério.

O que eu quero mesmo é ser um sorriso de lua, como essa que está me olhando provocativa e simpática na amplidão. Lua branca em expansão, crescendo, nutrindo sonhos e rindo-me sem motivo nenhum, para quem quiser me ver.

Desço e volto correndo quando me cansar, ou até para me esconder do mau olhado, já que essa vida de lua deve causar uma cobiça imensa em quem cá embaixo está, como causou em mim. Mas, subo de novo quando a tristeza me abarrotar, para repousar a mente e o corpo (quem sabe em uma nuvenzinha) e olhar lá de cima para as sombras daqui de baixo e poder, é claro, entre altiva e atrevida, continuar a sorrir.

A promessa da primavera

Em cada vida, há uma primavera. Mas ela ainda está por vir.

Hoje a terra ainda é fria, o ar nos arrepia e faz buscar abrigo. Mas o Sol aumenta sua força a cada dia e logo mais seus raios morosos reinarão em plenitude.

As trevas que nimbam as noites se descortinarão para a luz até ontem inconquistável, fazendo com que a vida desperte desse sono de inverno.

Hoje é o primeiro dia em que a criança começa a crescer desenfreadamente dentro de cada um, com exalação do novo.

Hoje se carrega o poder de transformar esperança em veracidade, pensamentos mortiços em escombros do passado somente.

É tempo de ressurgir, renovar.

É tempo de varrer, lavar e purificar.

A partir de hoje estejamos atentos às inspirações, já com as gavetas internas limpas, após a reclusão que o inverno caucionou.

É o hoje de ocupar os espaços vazios com o que vem no seu tempo, no tempo que vier.

É tempo de dizer: te esperarei, Primavera, e quando chegar, fique o tempo que puder.

Olhando o vazio

Ei, pequeninos!

Desculpem-me por ter lhes trazido para essa encrenca.

O mundo está um embaraço só e é tão complicado voltar a acreditar: confiar nas pessoas, fiar-se às próprias ideias, seguir em frente sem fulgurar em vazio…

Parece que a hora está errada quando encaro o relógio. E, no entanto, ele só mostra que o tempo urge, que já correu, que a vida é ida.

Quero muito ensinar sobre coragem, sobre dizer sim, mesmo quando é o não que me congela o coração, mesmo quando sou eu que travo na porta de entrada.

Então há um segredo repetido como mantra: quem tenta, não consegue! Quem tenta, não consegue! Quem tenta, não consegue! Acreditem, vocês sempre triunfarão, de uma forma ou de outra, pois são feitos da matéria de sonho real. Eu, porém, que flutuo sem parar, ainda tenho receio de cair.

E vocês perguntam “e agora?” e a minha vontade é repassar a questão para alguém que saiba respondê-la. Ora, mas eu agarro esse agora fortemente nos braços e dele faço nosso presente, presentemente.

O mundo está em desordem, eu sei, mas a gente pode arrumar a casa, deixar o quintal limpo, pois se não nos encontrarmos aqui dentro, se não nos reconhecermos em nossa intimidade, lá fora toda essa insensatez não nos acolherá.

Sobre trançar as pernas

“Sou do tipo mãos vazias. Prefiro nada carregar e ter os braços livres. Mesmo que seja para travá-los na cintura em espera, cruzá-los em desaprovação. Fico, assim, pronta para um adeus inesperado ou um abraço loucamente necessário em quem acaba de chegar.”

Sobre amizades, parcerias, palavras que impulsionam, carinho, cuidado e sonhos: tudo isso numa galeria desse post.

Só me resta agradecer imensamente sempre e sempre.

As resenhas completas estão nos links em destaque:

Reflexões de Silvia Souza
Fabulonica
Meu Espaço Literário
Livrai-nos
Livros em mente
Aquela Epifania
Mini Biblioteca da Pry
São tantas coisas
Filósofo dos Livros
Pétalas de Liberdade
Ruivo Leitor
Pacote Literário
Recanto Literário
Lendo com Daniel
Um rascunho a mais
Devaneios da Lila
Coleções Literárias
Mundo da Sue
O Poderoso Resumão
Jornal Literatura e Cia
Livros e Chocolate Quente
Porão da Lara
Sincroniza aí
Literatura por amor
Caderno da Lua
Gnoma Leitora

 

Querida ontem

Não sei ainda se sentia a sua falta ou se não poderia seguir adiante enquanto seus passos acompanhassem os meus, e é certo que fui perseguida todo o tempo. Chamava a você de ontem, minha forma original, meu corpo em cicatrizes, mostrando-me ao hoje que fui mais real do que supunha.

E nessa hora, no silêncio intrigante em que me encontrava, a vida atual clamava por mim, mas a vida já vivida veio fremir a minha paz com os equívocos que adormeciam em algum quarto dentro de mim: os deslizes cometidos, as palavras não ditas, as ações tolhidas pelo zelo em excesso.

O passado me implorava por Continuar lendo

Todos temos aquele amigo

“A amizade é uma alma com dois corpos”

(Aristóteles)

Amigo faz moradia dentro da gente, cava e cava buraco até se infiltrar de vez e depois perde a chave, faz pompa na vizinhança e se serve de todas as nossas reservas de carinho e, curiosamente, para ele, esses estoques parecem nunca se acabar.

Amigo sabe tocar na gente, literalmente falando: pega na mão, dá abraço de quebrar as costelas, puxa pelo ombro, acotovela-se todo para sair na foto e dá aquele tapinha de leve no braço, raras vezes deixa hematomas, te chamando de tolo por alguma bobagem dita.

De amigo exige-se Continuar lendo

A cola da memória

O aroma da vela acesa sobre a mesa do jantar não é somente aprazível. O copo de alumínio não é só um meio de matar a sede. A música mais triste não entra simplesmente pelo ouvido e vai embora ao final do acorde. Vela, copo e canção fazem os olhos arderem de saudade, lembranças aguçadas ou disformes, memórias que nimbam a alma ou exorcizam determinadas dores, não importa.

As lembranças são Continuar lendo

Aos nossos crimes inexplicáveis

Algumas vezes é um tijolo que a vida lança na nossa cabeça. Outras vezes, a vida passa longe dessas transgressões e, no entanto, quem nos acena é a morte, com toda sua criminalidade.

– Tia, você vai ficar comigo?

Enquanto atendia em ritmo aventureiro na segunda-feira à noite de um pronto atendimento em pediatria, fui chamada para avaliar uma criança na sala de emergência, mais conhecida como sala de medicação, já que era raro algo de muita gravidade chegar ao nosso plantão.

Na maca, um menino de 5 anos de cílios gigantes, grau importante de irritabilidade, com palidez e gemência era o motivo de eu estar ali, numa apresentação típica de um quadro de choque séptico. A mãe, com o desespero Continuar lendo

Subterrâneo

Quando o carro adentra o túnel, eu me sinto só.

A pouca luz que me afronta os olhos se torna uma sombra de incertezas e não há passageiro a me fazer companhia.

Não sei que medo será esse que eriça os pelos do braço e me faz ponderar sobre minha finitude.

O percurso é retilíneo, plano, mas estremece em meu corpo a ideia nauseante de que precipitei em queda livre. Fico ali aguardando o momento em que meu corpo irá se dilacerar ao contato com o chão.

Tudo é negro e os sons distantes não ajudam, pois não chegam até mim. Sigo inconquistável e sem controle.

E quando a mente esvazia, os segundos voam, eis que o Sol retorna aos olhos, trazendo de volta o ritual de existir.

Saio do anonimato do subterrâneo e a solidão,  apartada, acena para mim, como quem aguarda o próximo encontro.