Canção para a lua

Já escrevi sobre paixões, solidão, fingi ser poeta, já me imaginei escrevendo crônicas diariamente, uma espécie de Cony-like, e, obviamente, ainda almejo escrever um livro. Sonhos, não me faltem nunca, por favor. Mas, o que não me lembrava e descobri aqui, em textos antigos, é que num dia comum, escrevi algo que soa como uma canção, e era meu sonho ser essa letra musicada por alguém e cantada por Marina Lima (isso, a cantora universalmente conhecida por Fullgás…”então onde quer que você vá é lá que eu vou estar…”). Voz rouca, partes faladas, no estilo dela. Minha primeira reação foi rir dessa afetação, mas não resisti e resolvi trazer até aqui essas palavras em forma de homenagem à cantora. Continuar lendo