Duetos: Não me calo

silhouettes-1243746_960_720

Criei esse espaço “Duetos” para deixar eclodir a vontade de conhecer o outro, de desafiar-me a novas formas de escrita e para me aproximar daqueles que cultivam as palavras como companhia predileta, sejam escritores, devaneadores ou parceiros na vida que gostem de traduzir em verbos suas sensações.

O resultado está me trazendo um contentamento místico e a certeza de que escrever é o que quero fazer para o resto da vida.

A parceria de hoje é com o querido Cláudio El-Jabel, ou Kambami,  do blog UNOBTAINIUM, uma pessoa absurdamente expressiva, que se define como um “observador nato desde minha aparição”.

A fra94d6b43371c004dc3ccad9484d797457se de sua vida é “Quode natura date, Nemo negare potere (O que a natureza nos dá, não podemos negar)”.

Bom, o Cláudio aceitou esse desafio junto comigo e passamos semanas a descobrir que ponto abordar. Queríamos criar um diálogo da mente consigo mesma, em suas contradições e contestações, como alguém que instiga a si mesmo e reflete sobre suas dicotomias. Eis que surge um texto dele chamado “Ego” que era tudo que precisávamos desenvolver. E o resultado segue abaixo, cuspido (foi escrito muito rápido) e acho que, mesmo distantes, conseguimos nos misturar e fazer parte, os dois, da mesma consciência.

Cláudio, agradeço a você a disponibilidade e a firmeza em entrar nessa comigo. Segue o texto abaixo, convido a todos a uma leitura com a alma, puxem suas cadeiras e sentem-se. Continuar lendo

Duetos: A-DOR-AR

silhouettes-1243746_960_720

Criei esse espaço “Duetos” para deixar eclodir a vontade de conhecer o outro, de desafiar-me a novas formas de escrita e para me aproximar daqueles que cultivam as palavras como companhia predileta, sejam escritores, devaneadores ou parceiros na vida que gostem de traduzir em verbos suas sensações.

O resultado está me trazendo um contentamento místico e a certeza de que escrever é o que quero fazer para o resto da vida.

Começaremos com ele, o escritor Hang Ferrero, autor do blog O Ponto Afinal, cujos poemas tem feito a diferença nos meus dias. Roubo da sua página essa sublime descrição: Continuar lendo

Se

“Se alguém por mim perguntar, diga que eu só vou voltar quando me encontrar…”
(Cartola)

Se eu pudesse escolher um momento, não tenho dúvidas de que escolheria o eterno.

Se me fosse concedido um dom, como eu queria poder voar! Contraditório, pois morro de medo de altura…

Se eu fosse uma voz, optaria pelo maior grito do universo.

Ao me eleger uma oposição, nada melhor do que o anjo que cai. Continuar lendo